Noticias

Sindhotéis reivindica à prefeitura funcionamento de hotelaria e gastronomia


Sindicato defende abertura de estabelecimentos para amenizar crise grave enfrentada pelo setor

O Sindhotéis está em diálogo permanente com o prefeito Chico Brasileiro a respeito da “quarentena mais restritiva” decretada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior nas cidades de maior incidência da covid-19 do Paraná e confirmada pela Prefeitura de Foz do Iguaçu, na última terça-feira, 30.

Pelos decretos estadual e municipal, as atividades consideradas “não essenciais” estão suspensas de 1º a 14 de julho em Foz do Iguaçu e mais seis macrorregiões do Paraná. O diálogo visa esclarecer as regras válidas para os meios de hospedagem e permitir desde já o funcionamento da gastronomia (setor novamente atingido pelos governos).

Rafagnin: os empresários estão esgotados e com seríssimas dificuldades para manter as portas abertas.

O presidente do Sindhotéis, Neuso Rafagnin, diz que é preciso esclarecer as dúvidas sobre as restrições. O encontro contou com a participação do diretor-executivo do Sindhotéis, Plácido Oliveira, e do empresário Vilmar Andreola. Devido as lacunas nos decretos, a posição é temporária.

Considerando que os dois decretos não citam explicitamente o fechamento dos meios de hospedagem, o setor permanece autorizado a funcionar em condições normais, seguindo os protocolos de segurança já estabelecidos em normativas anteriores.

Essa é a posição até que haja uma definição explícita por parte do Governo do Estado sobre Foz do Iguaçu. Chico Brasileiro antecipou que os prefeitos que integram a AMOP (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná) estão em negociação com o Governo do Estado para definir esta e outras lacunas deixadas pela legislação.

Defesa da gastronomia – Para o presidente do Sindhotéis, os empresários de restaurantes, bares, lanchonetes e similares estão esgotados e com seríssimas dificuldades para manter as portas abertas. A restrições aos estabelecimentos do setor , sobretudo da gastronomia, é um retrocesso, critica o dirigente.

“Foz vem adotando medidas saneadoras, por isso não deveria ter sido incluída no decreto estadual uma vez que aqui os empresários do turismo, da hotelaria e gastronomia vinham cumprindo a sua parte nas medidas de prevenção. Se tem exageros, é onde o estado não fiscaliza”, pondera Rafagnin.

Transporte coletivo
Outro assunto importante abordado na reunião diz respeito a restrição imposta aos funcionários dos hotéis de utilizar o transporte coletivo. O prefeito prometeu suspender a restrição. O diretor-executivo do Sindhotéis, Plácido Oliveira, e superintendente da Foztrans, Fernando Maraninchi, alinharam o tema visando a autorização de transporte de funcionários de hotéis, pousadas e motéis.

Prorrogação impostos
Também foi abordada nova prorrogação do vencimento de impostos municipais. Isso porque em julho vence o prazo de 90 dias que prorrogou o pagamento de tributos como IPTU e ISSQN. Chico Brasileiro anunciou que o prazo para o pagamento será prorrogado por mais 30 dias, com possibilidade ampliar a medida no futuro.